vfgtdfrtfTreze Homens e um Novo Segredo distrai o público durante um par de horas descompromissado. Seria justo, ou sensato, esperar coisa diferente de um produto dessa natureza? Mas e quando, apesar dos pesares, bate aquela sensação de desapontamento?

A previsibilidade acaba funcionando a favor da experiência por sabermos que cada bem-sucedido clichê da franquia lá estará para fazer-nos rir do senso de humor espertinho do novo rat pack e espantar-nos com o leque de artimanhas tecnológicas e falsidades ideológicas aplicadas pelo bando de larápios encabeçado por George Clooney e Brad Pitt.

O estabelecimento da motivação dos personagens, a preparação para o golpe da vez e a execução do mesmo ocupam porções equivalentes da metragem. De novidade, algumas parcerias inusitadas entre rivais, a ausência de Julia Roberts e a introdução de outro algoz de Danny Ocean (Al Pacino, embolsando um cheque fácil na pele do vilão caricato).

Faltou a Soderbergh aplicar aquela dose extra de rebuscamento estilístico e ímpeto narrativo que marcou o antecessor. [Info]

~ por Gustavo H.R. em 30 de março de 2014.