Capsulares #35

VÁ E VEJA (IDI I SMOTRI/Elem Klimov/1985): Tão repleto de destruição e desumanidade que, várias vezes, atinge ápices que se aproximam do surrealismo. O protagonista passa a maior parte do tempo em estado de choque. O turbilhão de emoções cruas e pesarosas, sem filtros diluidores, é o propósito da existência do filme, mais do que qualquer ‘mensagem’. [Info]

AMOR À MORTE (L’AMOUR À MORT/Alain Resnais/1984): Resnais dramatiza como a fixação em determinada ideia (a morte, o amado) pode dominar a vida de alguém, controlando-lhe atos e pensamentos. Tudo isso sem tropeçar no intelectualismo impenetrável com que certas produções ‘cabeça’ punem o público, graças à condução fluida – ainda que peculiar – do diretor e ao elenco. [Info]

~ por Gustavo H.R. em 28 de novembro de 2012.