PÂNICO (SCREAM/Wes Craven/1996)

Uma vítima agarra a máscara da morte.

Uma vítima agarra a máscara da morte.

A esperteza do texto cínico e autoparódico, aliada ao carismático elenco jovial, destaca este slasher das derivações classe Z e continuações genéricas que infestaram os multiplexes desde a sua estreia. Tal qual o serial killer que retalha o ventre das vítimas com uma lâmina afiada, Pânico, sabedor das convenções estabelecidas há pelo menos três décadas pelos seus antecessores no gênero, as eviscera e expõe ao público, ao mesmo tempo que emprega as mesmas com eficácia revitalizada.

O mote é banal: adolescentes com hormônios à flor da pele, estripados por um assassino trajando fantasia descolada – a Morte, com uma máscara que alude ao quadro O Grito, de Munch. Descompromissado, Craven deu à luz um verdadeiro cult moderno que manteve seu frescor após incitar a proliferação de imitações de mediocridade variável. [Info]

About these ads

~ por Gustavo H.R. em 22 de julho de 2009.

20 Respostas to “PÂNICO (SCREAM/Wes Craven/1996)”

  1. Eu gosto bastante deste primeiro Pânico, mas desprezo suas continuações – o 2 eu até não ruim.

    O trabalho de Craven no primeiro filme da série foi muito bom.

  2. É um excelente filme, realmente revolucionou o modo de pensar e fazer terror… Pena que a prole nunca foi tão boa quanto o original…

  3. Que surpresa você falar de “Pânico”, Gustavo. Uma vez eu o vi relacionado em alguma de suas listas de filmes prediletos (talvez foi naquela que você montou no seu perfil no Blogger). É mesmo um filme que ainda tem o seu frescor e que tenho certeza que será apreciado como um grande clássico do gênero em gerações futuras. Gosto também das sequências, inclusive o terceiro filme. E você?

  4. Oi, oi, Gustavo!
    Lembro-me que gostei muito desse filme, mas detestei as continuações.

    Um filme que sempre me intrigou, desse gênero, é O Grito. Não sei se vc já falou dele aqui, mas tenho uma dúvida, se vc puder saná-la: As pessoas, em O Grito, morrem do quê? rsrsrs

    De medo? De pânico? Eu, em definitivo, não entendi esse filme.

    (Me lembrei dele por sua referência ao quadro com o mesmo nome. rsrsrs. Associação livre… rsrsrs)

    Um dia lindo pra vc!

  5. DIEGO e ALEX: apesar de inferiores, penso que as continuações divertem, cada uma a seu modo. O 2 é o mais brutal, enquanto o 3 é ainda mais metalinguístico e engraçado.

    O CARA DA LOCADORA: a bem da verdade, o único bom ‘slasher’ que vi depois desse foi… “Halloween H20″.

    GUERRA DE PIPOCA: taí, “O Grito” é um que ainda não assisti, mas quero (o original, não o americano). Bom dia para ti tambem! :)

  6. Eu gostei bastante do primeiro Pânico. Levei bons sustos no cinema, mas as continuações foram péssimas. De qualquer modo, lucrou muito e serviu de inspiração pra muitos filmes de comédia pastelão.

  7. Foi um marco, mas não me marcou. Não lembro de absolutamente nada do 1º.

  8. CINEBUTECO: legal você ter visto na telona; só vi o terceiro na sala.

    BRUNO: lembro-me de quase cada minuto, para mim é um longa repleto de momentos antológicos.

  9. Faz tempão q vi a trilogia toda, esse sem dúvida é o melhor, mas outros 2 ñ foram ruim, são divertidos, mas inferiores ao 1!
    A fantasia do serial killer é hilária e muito irada..haha..muito bom esse filme!
    Abs! Diego!

  10. Um dos clássicos do anos 90 que deu início a uma série de imitações de qualidade muito discutível. Lembro de quando juntava os primos pra ver o filme nas tardes de domingo – bons tempos aqueles…

  11. DIEGO: queria ter uma fantasia daquela!

    VINÍCIUS: deve ter sido muito divertido. Eu sempre vi o filem sozinho só…

  12. oi, oi, Gustavo, assista mesmo O Grito e me explique, por favor, qual é a lógica das mortes, se é por medo! Aff! rsrsrs

    Um bom final de semana pra ti!
    Abração.

  13. Gosto muitíssimo. Sessão maravilhosa no cinema (nao sabia nada a respeito) e me encantei com a metalinguagem, com Craven sacaneando os estereotipos e os usando logo a seguir. Funciona como comédia e como terror. A conclusão ainda comenta sobre um atual estado de coisas doentio de nossa juventude.

    Abços!

  14. é engraçado como conseguires banalizar o que foi contruido nesse filme.

    o primeiro é o único que vale a pena ser assistido.

    • HÉLIO: é isso aí. Diversão com conteúdo.

      THE DUDE: como assim, banalizei? De fato, não me aprofundei nas implicações da trama, mas não é essa a proposta do blog.

  15. Gustavo,
    você disse tudo… Um pequeno clássico, mas que gerou filmes discutíveis. É uma pena que em alguns momentos Holywood pega uma fórmula despretensiosa e que deu certo e exagera imitando.

    Uma Boa semana por aí!

  16. Achei a trilogia Gritos bastante boa. O primeiro é o melhor, mas as sequelas conseguem entreter também.
    Achei que Craven conseguiu revitalizar um género de uma maneira espectacular. Não foi á toa que surgiram tantas imitações. Bons tempos os meus em que sonhava conseguir adquirir o fato do ghost-face aqui na minha terrinha. :)

  17. As sequências são diferentes em comparação com o primeiro, mas gosto de todos os três filmes em igual. Alguns dizem que o terceiro é péssimo muito pela saída do Kevin Willians como roteirista, mas achei esperto aquela matança em Hollywood.

  18. Aliás, também gosto dos produtos genéricos, como “Eu Sei o Que Vocês Fizeram no Verão Passado”, “Lenda Urbana” e “Tentação Fatal”.

  19. Faz um bom tempo que eu vi o filme, mas sempre achei sensacional, inclusive as continuações!

Os comentários estão desativados.

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 730 outros seguidores